ad infinitum

Que ideia rara
colocar bem aqui
pensamentos e palavras...
e que ideia fácil
para sempre;
ao infinito

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

27 de abr de 2015

O CONTEXTO DA LÍNGUA, A LÍNGUA EM CONTEXTO


A língua de que se fala

            A noção de língua é central para os estudos da linguagem em todas as suas perspectivas. Desde a Antiguidade até o século XIX muitos passearam e muitos se firmaram no campo da Linguística com seus pensamentos que procuravam uma resposta para qual seria a natureza da linguagem, se a língua é natural ou convencional, sobre a relação palavra e pensamento, língua e objeto. Questionaram a natureza da língua. Tentaram explicá-la de forma cartesiana, disseram que a língua é a representação do pensamento, instituíram o erro e a pureza.
É mais tarde, no século XX, que a Linguística tal como ciência é inaugurada a partir do Curso de Linguística Geral, de F. de Saussure. É dele, segundo Sechelaye e Bally (1916), a definição que estabelece a Teoria dos Signos, e a nova ciência ganha seu método e objeto: a língua. Saussure diz que a linguagem é dividida em língua e fala, e que a língua é, então, o objeto da Linguística. Aí está o corte saussureano. Ele define a língua como um conjunto de convenções adotadas pelo corpo social (massa falante), afirmando assim que a língua é convencional, é homogênea, é um todo por si: imanente.
Saussure cria, ou estabelece, diversas dicotomias, tais como: língua e fala; diacronia e sincronia, paradigma e sintagma, significante e significado, mutabilidade e imutabilidade. Afirma que na língua só há diferenças. É dos seus alunos que surge o termo estrutura para definir a língua, é de Saussure a noção de língua como sistema.
Se a língua para Saussure é sistema, estrutura, unidade, fato social, a fala é incapaz de ser una, é individual, é inclassificável, inconstante.
Outro teórico da Linguística, Noam Chomsky, estabelece a Teoria da Sintaxe e define o que é performance e competência. A competência é o objeto desta teoria, e se define como sendo a capacidade de todo sujeito de produzir e compreender todas as frases da língua. Descrevendo essa competência temos todas as regras da língua, sua gramática. Temos aí duas teorias em que a questão de base é a unidade da língua.
Em outra teoria, a Teoria do Discurso, a língua tem unidade e ordem, porém não é tida como um sistema perfeito, completo e fechado. A língua é sujeita a falhas, afetada pela incompletude. E isso não é tomado como defeito ou erro, antes é próprio da materialidade da língua, a constitui. E falaremos mais sobre esta língua, tida aqui como nossa noção “escolhida” de língua.
Eni P. Orlandi, em seu livro Língua brasileira e outras histórias (2009), introduz ao conceito de língua – da Teoria dos Signos de Saussure - uma distinção, que ela constrói com os nomes de língua fluida e língua imaginária: esta, a língua do imaginário, perfeita e una, enquanto aquela, heterogênea, a língua que não se consegue controlar. A língua imaginária, para ela, é a língua sistema de regras e fórmulas, “Objetos-ficção que nem por isso deixam de ter existência e funcionam com seus efeitos no real.” (p 18). A língua fluida, por sua vez, é a língua em movimento, em constante mudança, que não se deixa imobilizar pelas regras e fórmulas,

“a que podemos observar quando focalizamos os processos discursivos, através da história da constituição das formas e sentidos, nas condições de sua produção, na sociedade e na história, afetada pela ideologia e pelo inconsciente. A que não tem limites, Fluida.” (idem).

Dessa forma e com essa visão sobre as teorias linguísticas – algumas, é claro, destacadas aqui – passamos a compreender a língua dentro da Teoria do Discurso, filiada à Análise de Discurso de tradição francesa, que é um dos objetivos desse trabalho.
           
A língua para a Análise de Discurso

A Análise de Discurso (chamada de AD a partir daqui) entende que a linguagem, em suas esferas discursivas, é a mediadora entre a realidade do mundo e o homem. É por meio da linguagem que o homem se constitui como sujeito, inserido em uma história, em um processo e em condições de produção de linguagens diferentes.
Como afirma Eni Orlandi (2006), a AD desloca a dicotomia língua e fala, propondo uma relação não dicotômica entre língua e discurso. Porque, tendo em vista a noção de língua e fala de Saussure, ao separá-las de maneira dicotômica, separa também o que é social do que é histórico. E para a AD, no discurso o social e o histórico são inseparáveis, indissociáveis.
Para Ferreira (2003), em seu artigo O caráter singular da língua na análise do discurso, a língua passou a ganhar maior importância com Michel Pêcheux, quando este formulou questões envolvendo o equívoco como fato estruturante da língua, o que deu lugar para se discutir o real da língua, noção derivada da psicanálise. “Precisamente da língua e de seu encontro com a história surge a possibilidade de trabalhar o equívoco, que irrompe como lugar de resistência inerente à língua e à sua constituição.” (FERREIRA, p. 195-196).
A língua é uma estrutura que tende a regularidades (Milner apud Ferreira, 1994 {leitura da tese dela}), entretanto essas regularidades podem ser (e são) afetadas em alguns pontos. São os pontos da falha, de rupturas e do impossível, que mexem com a estrutura da língua. E isso põe a questão da completude da língua em xeque. A língua é sim um sistema, mas é um sistema instável.
É porque não conseguimos dizer tudo que a língua é estudada pelo analista de discurso diferentemente de que por um linguista que a estuda como imanente e completa. A língua comporta em si um “não-todo”[1], que vem a constituir o seu “real”, como dissemos antes, espaço para o equívoco.
A noção de língua é fundante em AD, pois a língua é a condição de possibilidade de discurso.
Sendo assim, como Ferreira afirma em sua tese: “para o analista de discurso a língua não é objeto, mas pressuposto para analisar a materialidade do discurso. E, por ai, redefine-se a noção de língua, descentrando-a e remetendo-a a outra ordem: a ordem do discurso.”.

Algo sobre o discurso

            A AD faz a relação da língua com o discurso e a ideologia, porque, segundo Orlandi, a materialidade da ideologia é o discurso. Então, é no discurso que a relação ideologia e língua podem ser observadas. Isso se reforça quando a autora afirma que “o sujeito discursivo funciona pelo inconsciente e pela ideologia.” (ORLANDI, 2013a, p 20).
            Como afirma Orlandi (2013a, p 15), o discurso é a “palavra em movimento, prática de linguagem” e é através de sua análise que compreendemos como a língua faz sentido, enquanto este trabalho simbólico, que constitui o homem social e sua história.
            É através do discurso que é possível transformar a realidade ou mantê-la, e ele é “a base da produção da existência humana” (ORLANDI, 2013a, p 15). O discurso é tomado como não mera transmissão de mensagens ele coloca em movimento a relação dos sujeitos com os sentidos pelos quais são afetados, através de sua história e pela língua. É um complexo processo, em que “o discurso é efeito de sentidos entre locutores”. (ORLANDI, 2013a, p 21).
            Os efeitos de sentido se relacionam com as condições de produção, condições estas que compreendem sujeito e situação, envolvem memória e interdiscurso e se filiam a uma ideologia e se fazem notar pela língua.
            Segundo Orlandi (2013a), o sentido não existe sozinho, ele é reflexo das posições ideológicas em relação com o processo sócio-histórico em que se dá a produção das palavras. Ou seja, conforme o sujeito que emprega uma palavra, o sentido muda de acordo com suas filiações ideológicas. Assim sendo, a formação discursiva determina o que se diz ou deve ser dito de uma posição ideológica dada. Então, os sentidos sempre são determinados ideologicamente e “é pela referência à formação discursiva que podemos compreender, no funcionamento discursivo, os diferentes sentidos” (ORLANDI, 2013, p 44).

O sentido é assim uma relação determinada do sujeito – afetado pela língua – com a história. É o gesto de interpretação que realiza essa relação do sujeito com a língua, com a história com os sentidos. Esta é a marca da subjetivação e, ao mesmo tempo, o traço da relação da língua com a exterioridade: não há discurso sem sujeito. E não há sujeito sem ideologia. Ideologia e inconsciente estão materialmente ligados. Pela língua, pelo processo que acabamos de descrever. (ORLANDI, 2013, p. 47)

Ainda, sobre as condições de produção, Orlandi (2013a, p. 30) afirma que estas compreendem os sujeitos e a situação. No sentido estrito, tem-se as circunstâncias da enunciação; em sentido amplo, incluem o contexto sócio-histórico, ideológico.

Referências

BAKHTIN, Mikhail M. Estética da criação verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

FERREIRA, Maria Cristina Leandro. O caráter singular da língua na análise do discurso. Revista Organon (UFRGS), Instituto de Letras/UFRGS, v. 17, n. 35, p. 189-200, 2003

NUNES, José Horta. O discurso documental na história das ideias linguísticas e o caso dos dicionários. São Paulo: Alfa, 52 (1): 81-100, 2008.

ORLANDI, Eni P. Análise de Discurso in ORLANDI, Eni P.; LAGAZZI-RODRIGUES, Suzy. Introdução às ciências da linguagem - Discurso e textualidade. Campinas, SP: Pontes, 2006.

ORLANDI, Eni P. Língua brasileira e outras histórias – discurso sobre a língua e ensino no Brasil. Campinas, SP: RG, 2009.

______________. Análise de discurso – princípios e procedimentos. Campinas, SP: Pontes, 2013a.

______________. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2013b.



[1] Lacan formulou o axioma a seu modo: “o dizer é da ordem do não-todo”. Este não-todo, segundo Ferreira (tese), “suportado pela língua, vem a constituir o seu real. [...] O termo real da língua, vindo da psicanálise e desenvolvido na linguística, sobretudo por Milner, é tratado em francês como “lalangue”, o que em português corresponderia a “alíngua”.”

Nenhum comentário: